A aposentadoria não significa um final, mas sim uma nova fase em que a pessoa poderá realizar outros objetivos e projetos

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Quase dois mil delegados de base da Condsef elegem direção que vai conduzir entidade pelos próximos três anos


O XI Congresso da Condsef (Concondsef) terminou neste domingo, 15, com votação que definiu qual será a próxima direção da entidade pelos próximos três anos. O diretor de imprensa da Confederação, Sérgio Ronaldo da Silva, vai ocupar o cargo de secretário-geral. Os demais nomes da direção executiva, dos suplentes e dos integrantes dos departamentos da Condsef serão divulgados em janeiro quando também será a posse desta direção. A votação contou com três chapas, sendo a Chapa 1 vitoriosa com 1093 votos, seguida pela Chapa 3 com 593 votos e Chapa 2 com 121 votos. Apenas 2 votos foram em branco e nenhum nulo. Em sua primeira declaração como secretário-geral, Sérgio Ronaldo destacou que a partir deste momento não há divisão por chapas e sim a construção da unidade da categoria em torno das resoluções aprovadas durante o congresso, incluindo a construção de uma greve a partir da 1ª quinzena de março, caso necessário para avançar nas reivindicações da categoria.

Em janeiro, servidores devem lançar a Campanha Salarial 2014 com atividades nos estados. Nos eixos da campanha salarial permanecem bandeiras de luta consideradas fundamentais para avanços no setor público. Estão entre as bandeiras: a luta por uma política salarial permanente; paridade entre ativos, aposentados e pensionistas; definição de data-base; regulamentação da negociação coletiva; diretrizes de plano de carreira; retirada de projetos no Congresso Nacional que prejudicam os trabalhadores públicos; além do cumprimento por parte do governo de acordos e protocolos de intenções firmados em processos de negociação. O objetivo é também lançar a campanha salarial em fevereiro em Brasília com uma grande marcha. A expectativa é compor um calendário unificado com o fórum dos federais - do qual a Condsef faz parte - que reúne 31 entidades nacionais e as centrais sindicais.

Durante o XI Concondsef ficou claro que os servidores públicos anseiam por mudanças urgentes e necessárias na administração pública. Os processos de negociação com o governo que este ano muito pouco ou nada avançaram foram um dos pontos mais debatidos. A plenária determinou que a Condsef siga insistindo no diálogo e negociação com o governo. No entanto, a Condsef deverá lutar por mudanças neste formato atual. O objetivo é buscar mudanças que assegurem uma dinâmica mais eficiente que não deixe os servidores à mercê das vontades do governo que, este ano, cancelou reuniões, adiou discussões e emperrou gravemente o processo de negociações em curso. Neste sentido, a busca pela regulamentação da negociação coletiva, com critérios e regras claras para o processo de diálogo entre servidores e governo, segue sendo uma das principais bandeiras de luta da categoria.

Fonte: Condsef