A aposentadoria não significa um final, mas sim uma nova fase em que a pessoa poderá realizar outros objetivos e projetos

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Guerra na blogosfera levanta denúncias contra Daniel Dantas e a comunicação do Planalto


A falta de transparência na aplicação dos recursos bilionários da Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência da República e o pesado jogo econômico nos bastidores das empresas de mídia e telecomunicações no Brasil deflagraram, nas últimas horas, uma guerra de grandes proporções entre segmentos do conjunto de informativos existentes na internet brasileira, conhecido como ‘blogosfera’. Alvo das multidões durante os últimos protestos contra a corrupção no Brasil, que tomaram as ruas do país, a Rede Globo ganha, neste episódio, a companhia tanto de novos quanto dos já tradicionais meios de comunicação, nas suspeitas de negociações transversas com o dinheiro público.

Após denúncias publicadas na página do jornalista Paulo Henrique Amorim (PHA), editor do blog Conversa Afiada, contra o também jornalista Leonardo Attuch, editor do site Brasil 24/7, veículos de comunicação como a revista semanal de ultradireita Veja e os diários conservadores paulistano Folha de S. Paulo e carioca O Globo passaram a ser apontados como vetores de campanhas voltadas aos interesses de grandes conglomerados econômicos nacionais e do exterior. Seria o poder da mídia por detrás de um jogo de interesses políticos e econômicos, inconfessáveis à Opinião Pública e à Justiça, patrocinado com recursos da Secom da Presidência da República, ocupada atualmente pela jornalista Helena Chagas.

Em meio a uma série de acusações, Amorim divulga, em sua página, a escuta telefônica realizada pela Polícia Federal (PF), com autorização da Justiça, de um telefonema entre Attuch e o empresário Naji Nahas que, junto com o banqueiro Daniel Dantas, estão envolvidos em volumosos processos por crimes contra a ordem financeira do país, entre outros. Segundo denuncia Amorim, Attuch seria “ou é funcionário” do dono do banco Opportunity, em “um site na internet que se esconde com a identificação ‘247“, especialista em “reproduzir textos não autorizados e (que), como Dantas, dissimula a origem das informações que publica”. Seria uma “versão ‘esquerdista’ de Dantas”, acrescenta Amorim. O blog Conversa Afiada, por sua vez, é chancelado por anúncios da Caixa Econômica Federal (CEF) e do Banco do Brasil (BB), entre outras empresas públicas.

Ainda segundo PHA, Attuch seria responsável por “publicar textos de esquerdistas, trabalhistas, nessa nova versão pink de Dantas” e lembra que o banqueiro teria sido dono de “uma publicação, No Mínimo, onde pagava salários incompatíveis com o mercado brasileiro: era a publicação mais cara das Américas”, diz o blogueiro, em uma tentativa de “controlar a imprensa”.

“A ponto de, num interrogatório na PF, o Delegado Protógenes (Queiróz, deputado federal do Partido Comunista do Brasil por São Paulo) sugerir que, quando saísse da cadeia, deixasse de ser banqueiro para ser dono de jornal”, acrescentou.

Leia, adiante, o que diz Amorim sobre Attuch:

“De certa forma, ele conseguiu realizar o sonho de Protógenes – Dantas conta com 100% de blindagem no Partido da Imprensa Golpista (PiG, que reuniria a imprensa conservadora) e em outros falsos retratos do Brasil. Alguém no Palácio do Planalto – ou ali perto – convenceu a presidenta a dar essa suposta entrevista. O que comprova que a presidenta entende tanto de ‘imprensa’ quanto o ansioso blogueiro de Taxa Interna de Retorno.

“O editor do Conversa Afiada Murilo Silva reuniu um material sobre essas personalidades que engrandecem o jornalismo brasileiro: Dantas e seu ‘jornalista’.

“Em tempo: o ansioso blogueiro já tentou diversas vezes entrevistar a presidenta. Não conseguiu. Provavelmente porque não tem as credenciais do Attuch. Talvez, se tivesse o apoio do Dr. Kalil, do Ministro Mercadante ou do ex-Ministro Palocci isso teria sido possível. Nesse caso, porém o ansioso blogueiro prefere não fazer a entrevista que jamais faria.

“Em tempo 2: de resto, a entrevista ao ‘braço do Dantas’ resultou inútil. Não teve e menor repercussão. É daquelas entrevistas que beneficiam o entrevistador – em prejuízo do entrevistado e do leitor/espectador, que não leva nada para casa.

(…)

“Leonardo Attuch foi o homem de Daniel Dantas na mídia durante os momentos conturbados da vida do banqueiro, na ‘maior disputa comercial da história do capitalismo brasileiro’ e pouco antes das duas prisões no âmbito da Operação Satiagraha(que o presidente Barbosa, breve, legitimará).

“Trata-se da disputa acionária pelo controle da Brasil Telecom, que se consumou na fusão da Brasil Telecom a Oi, a BrOi, uma patranha – com o dinheiro do FAT, sob a guarda do BNDES e que rendeu US$ 2 bilhões a Dantas.

“Em interceptação telefônica feita pela Polícia Federal, na Operação Chacal, Attuch aparece com o megainvestidor Naji Nahas – encarcerado com Dantas na Satiagraha –, que, então, costurava um acordo entre Daniel Dantas e a Telecom Itália.

“Na conversa, Attuch aconselha Naji a processar jornalistas – a quem chama de f… da p … – que ‘incomodavam’ o grupo, entre eles Mino Carta e Paulo Henrique Amorim”.

“Attuch liga:

“Naji: Alô.

“Attuch: Naji? É o Leonardo (Attuch), dá para falar um pouquinho?

“Naji: Dá.

“Attuch: Só pra te falar, você tá vendo essas notícias lá da Itália?

“Naji: É loucura o Daniel me colocar nesse negócio porra, não são eles que estão lá na Itália? Ele e o Diglesias (?) e tal fazendo essa campanha?

“Attuch: Não, não. Não é o Daniel, não. Isso é coisa de Paolo Dal Pino (Presidente da Telecom Itália no Brasil), aquela turma lá. (…)

“Naji: Ahn.

“Attuch: O que tá acontecendo é o seguinte: a mídia não tem como voltar atrás e admitir que errou nessa coisa de Telecom Itália e àquela coisa toda.

“Naji: Mas tão dizendo que eu corrompi a Comissão de Ciência (Ciência e Tecnologia da Câmara – em pró da BrT)… Eu nunca corrompi ninguém rapaz.

“Attuch: É loucura, eu acho que… (interrompido)

“Naji: Esse Mino Carta, eu vou mandar processar ele já, hoje.

“Attuch: Você deveria fazer isso, deveria fazer isso com urgência. Pelo seguinte, esses caras querem fazer a bomba cair no teu colo, e não tem nada a ver.

“Quem corrompeu foi a turma do Carmelo (Carmelo Furci, vice-presidente da Telecom Itália para AL), que fez o trabalho sujo, que você sabe muito bem como funcionava a coisa ali.

“Então, honestamente, eles que contrataram o Demarco, o Paulo (inaudível), esse pessoal todo. Agora, eu acho que você deveria se mexer aí.

“Naji: O que você quer se eles dizem que eu corrompi, eles tem que provar que eu corrompi, p..

“Attuch: Pois é, mas como toda essa turma… A Veja tá comprometida nessa história, a Folha (de S. Paulo) tá comprometida. Inclusive, hoje, a Elvira Lobato lá da Folha, ligou para o Opportunity, ligou lá para o Daniel querendo… Não sei, se ela queria falar com ele.

“Naji: Ela ligou e ele não atendeu.

“Attuch: Isso, ele não atendeu. Mas ela veio com uma conversinha mole, de querer entender o que está acontecendo. Quer dizer, qualquer pessoa com dois neurônios entende que se (inaudível) foi preso, é porque, p…, veio pra cá e montou aOperação Chacal.

“Naji: Sei.

“Attuch: Agora, acho que a própria Folha quer entrar nesse conto da carochinha…

“Naji: É, mas o que que tem a ver? Eu sempre trabalhei para fazer o acordo entre os dois.

“Attuch: Eu sei, eu sei. Mas como eles não podem dizer que a Operação Chacal foi comprada, porque deixaria toda a imprensa mal na história, eles vão tentar distorcer e colocar no seu colo, entendeu?

“Naji: Por no meu colo é o que eles tentam, mas eles vão ver o que vai acontecer.

“Attuch: Pois é, mas você tem que fazer isso rápido.

“Naji: Mas o que você quer que eu faça?

“Attuch: Não, eu acho que você tem que começar a se mexer com essa turma de Mino Carta, de Paulo Henrique Amorim, esse bando de fdp (…)

“Naji: Vou processar, vou processar todos! É a única coisa que eu posso fazer…

“Attuch: Pois é… Porque realmente o negócio está esquisito. Você andou conversando por lá? Chegou a ver essas coisas?

“Naji: Não, não hoje que eu falei com ele. Ele tá achando um absurdo esse negócio. Mas tudo bem, vamo lá.

“Attuch: Esse negócio é uma loucura. Eu vou levantar informação desse negócio e eu te mando.

“Naji: Tá, me manda.

“Fim da ligação.

Fonte: Correio do Brasil