A aposentadoria não significa um final, mas sim uma nova fase em que a pessoa poderá realizar outros objetivos e projetos

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Empresa estimula a educação financeira entre os talentos


A prática de economizar dinheiro nem sempre é considerada uma tarefa fácil para muitas pessoas. Os motivos são os mais variados: alguns se sentem tentados com as inovações tecnológicas que o mercado oferecer a cada momento. Outros veem nas vitrines a oportunidade de realizarem os chamados "sonhos de consumo", principalmente quando o comércio oferecer condições especiais de pagamento que aparentemente parecem tentadoras e muito vantajosas. Até aí, tudo bem. O problema está quando chega o momento de colocar fazer as contas no final do mês e se vê que as despesas são bem superiores do que a receita.

E quando dezembro se aproxima, os especialistas sempre aconselham que as pessoas reservem parte do 13º salário para gastos que chegam com o Ano Novo como, por exemplo, custos extras com IPTU, IPVA, matrícula das crianças, material escolar, entre outros. Mas, nem todos conseguem administrar bem suas finanças pessoais e isso acaba interferindo em vários campos, inclusive no profissional. Por isso, algumas organizações já tomaram a iniciativa de instituírem programas que auxiliam seus colaboradores a liderem com os gastos, não entrarem em situações financeiras apertadas e até mesmo a saírem do vermelho.

Uma destas empresas que dá aquela "mãozinha" para os colaboradores é a Cozil - indústria de equipamentos para cozinhas industriais, que está localizada em Itaquaquecetuba, São Paulo. De acordo com Leila Damaceno, responsável pela área de Recursos Humanos, a empresa acredita que tanto os problemas pessoas quanto os financeiros acabam influenciando na autoestima e no comportamento do funcionário. Esses fatores, por sua vez, podem atrapalhar no desempenho dos talentos humanos e no relacionamento com das pessoas com os colegas de trabalho. Foi a partir dessa premissa que a companhia instituiu em 2010, a política de Empréstimo Consignado Consciente aos funcionários.

"Não realizamos pesquisas mais apuradas sobre a realidade financeira dos nossos colaboradores. Na verdade, o que temos é o controle de quanto cada funcionário recebe de salário líquido e o que podemos levantar internamente é a quantidade de filhos e a região em que moram", explica Leila Damaceno, ao enfatizar que ao instituir o Empréstimo Consignado Consciente, a Cozil firmou um convênio com uma renomada instituição financeira, a fim de facilitar o empréstimo para os funcionários da companhia.

Segundo ela, o departamento de Recursos Humanos fica responsável por gerir todos os assuntos relacionados aos funcionários, bem como as ações sobre educação financeira e que melhoram a qualidade de vida das pessoas. Para que todos os colaboradores compreendam como funciona a iniciativa, são realizadas palestras ministradas pelos profissionais do próprio banco parceiro da ação. Dessa forma, no ato da solicitação e aprovação do empréstimo consignado os colaboradores da Cozil recebem todas as orientações necessárias, para que possam se organizar financeiramente. Já o departamento de RH da companhia também oferece todo o suporte nesta fase, para que as pessoas que solicitam o empréstimo não fiquem com dúvidas pendentes e tenham consciência de suas obrigações futuras.

"Em 2010 a empresa firmou parceria com o Banco Itaú, para que seus quase 250 funcionários pudessem adquirir um empréstimo consignado com a condição que não comprometessem mais que 25% do salário, dessa forma, não correndo o risco de se endividarem ainda mais. Outro requisito para ter o benefício é que o funcionário tenha possibilidade de quitar o empréstimo até dois anos", comenta a responsável pela área de RH, ao acrescentar que ainda que o colaborador não consiga adquirir o empréstimo no banco conveniado, a empresa procura saber quais benefícios legais ela pode adiantar para ajudá-lo a pagar a dívida e livrá-lo do problema financeiro.

Ao ser indagada sobre os benefícios que iniciativas desta natureza podem gerar à organização e, consequentemente aos seus funcionários, Leila Damaceno afirma que a empresa ganha muito quando possui colaboradores que não deixam os problemas pessoais influenciarem no trabalho. "Entretanto, sabemos que é muito difícil tamanha transparência e que problemas financeiros de uma forma ou outra acabarão refletindo no desempenho profissional. Um exemplo para a situação é o funcionário que se ausenta do trabalho por horas ou até por um dia para resolver questões financeiras pessoais", complementa.

Apoio das lideranças - Como não poderia ser diferente, como em toda ação interna, os líderes da Cozil deram uma contribuição significativa para que os colaboradores conseguissem controlar suas finanças pessoais. Na prática, primeiramente, a liderança deve acompanhar, sem invadir, a rotina de seus profissionais e ter discernimento suficiente para notar se algo de errado está acontecendo com aquele membro da sua equipe. Se algo for identificado o ideal é que haja uma conversa para que a possibilidade de ajuda seja analisada junto ao RH da empresa.

Ainda de acordo com Leila Damaceno, depois que a iniciativa foi implantada, os profissionais que atuam na organização passaram a ter uma melhor consciência sobre educação financeira e melhoraram a qualidade de vida extensiva aos familiares. "Entendemos que uma boa gestão funciona como uma via de mão dupla, onde todos necessitam de qualidade de vida e saúde financeira", finaliza.

Fonte: RH.com.br