A aposentadoria não significa um final, mas sim uma nova fase em que a pessoa poderá realizar outros objetivos e projetos

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Toffoli pede presidência 'de maneira séria'; Barbosa critica 'tom jocoso'


Ministro Toffoli disse que Barbosa fez 'alusões desnecessárias' ao voto dele.

Presidente do Supremo afirmou que colega agiu de maneira 'imprópria'.

Durante a discussão do primeiro recurso de condenado no processo do mensalão, os ministros do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli e Joaquim Barbosa protagonizaram uma discussão. Toffoli disse que o presidente do tribunal fez "alusões desnecessárias" sobre o voto dele. Relator do processo do mensalão, Barbosa reagiu dizendo que o colega agia com "tom jocoso".

Nesta terça, o STF começou a fase de julgamento de recursos dos 25 réus condenados no julgamento do mensalão.

Na análise do caso de Emerson Palmieri, os ministros debatiam se os magistrados que absolveram determinado réu e, consequentemente, não atuaram na definição das penas, poderiam julgar embargos de declaração (recursos contra condenação) no que se refere às punições. Por maioria, os ministros decidiram que sim.

Em meio ao debate, Toffoli afirmou: "Gostaria de saber se tenho direito a voto". E emendou, ao referir-se a Barbosa, que afirmou que, se havia intenção de absolvição, não era possível por meio dos embargos de declaração: "Vossa excelência presida de maneira séria", afirmou Toffoli ao presidente.

Barbosa respondeu: Quem está a dar risada é vossa excelência. Eu sei onde quer chegar."

E Toffoli disse: "Vossa excelência não sabe. Só se tiver capacidade premonitória."

Pouco depois, Dias Toffoli afirmou que não se podia fazer "alusões desnecessárias e incabíveis" sobre voto de outro colega;.

"Em conclusão, sem anotar a necessidade de ninguém tentar prever o voto do colega e fazer alusões desnecessárias e incabíveis, eu acompanho o voto de vossa excelência", disse a Barbosa, que havia rejeitado pedido de Emerson Palmieri para reduzir as penas.

Barbosa completou: "Fiz as considerações porque percebi o tom jocoso de vossa excelência. É só isso. Acho impróprio para qualquer julgamento nesta Corte."

Fonte: G1