A aposentadoria não significa um final, mas sim uma nova fase em que a pessoa poderá realizar outros objetivos e projetos

sábado, 31 de agosto de 2013

DNPM e anistiados firmam acordo que assegura reajuste a partir de janeiro de 2014. HFA garante correção de erro em tabela salarial


A Condsef firmou acordos dos setores de sua base que aprovaram proposta apresentada pelo governo assegurando média de 15,8% de reajuste. Servidores do DNPM e anistiados que estavam com salários congelados desde 2008 receberão a primeira parcela do reajuste (10,25%) em janeiro do ano que vem. O percentual restante será incorporado em janeiro de 2015. Confira aqui o termo de acordo dos servidores anistiados e aqui o termo dos servidores do DNPM. Além disso, o governo assegurou a correção de erro em tabela salarial dos servidores do HFA. No ano passado o Ministério do Planejamento chegou a admitir que errou em não corrigir a tabela dos servidores que deveriam ter tido suas remunerações equiparadas as dos servidores do PGPE antes que fosse aplicado reajuste acordado. O erro será corrigido agora e os valores referentes à correção serão considerados a partir de janeiro deste ano. Dnit e Agências Reguladoras seguiram sem conseguir alcançar consenso junto ao governo.

Nesta sexta-feira também aconteceu o dia nacional de paralisação em todo o Brasil convocado pelas centrais sindicais. Servidores públicos participaram realizando atividades de mobilização e debatendo a agenda da categoria em diversos locais de trabalho. Os servidores devem montar uma plataforma de ação para mudar a realidade dos processos de negociação e superar as atuais dificuldades colocadas. Além disso, é preciso seguir debatendo e preparando a categoria para a luta em 2014. Uma greve para o próximo ano não está descartada.

A Condsef vai continuar também cobrando as agendas e buscando soluções para todas as pendências dos setores de sua base. A entidade volta a reforçar que para auxiliar na busca pelo atendimento de suas principais demandas os servidores devem permanecer atentos e reforçar sua mobilização A pressão junto ao governo é um elemento essencial para garantir que pontos urgentes e necessários que fazem parte da pauta de reivindicação das categorias possam alcançar os avanços esperados.

Fonte: Condsef