A aposentadoria não significa um final, mas sim uma nova fase em que a pessoa poderá realizar outros objetivos e projetos

terça-feira, 30 de julho de 2013

Disputa acirrada nas eleições do SINDSEP-DF


Muita tensão e troca de farpas permeiam as eleições para a direção do Sindicato dos Servidores Públicos do Distrito Federal (Sindsep-DF), que representa cerca de 27 mil funcionários públicos ativos e aposentados. Apesar de as duas chapas concorrentes terem praticamente o mesmo programa, o clima entre elas não é nada amistoso, e sobram acusações, sobretudo, de cunho político, de ambas as partes. A briga gira, sobretudo, em torno da ligação da atual gestão do sindicato, que tenta a reeleição, com o governo e o Partido dos Trabalhadores (PT).

As pautas dos dois lados incluem o combate ao Projeto de Lei nº 4.330, que regulamenta a terceirização de mão de obra, a incorporação das gratificações ao salário, a realização de mais concursos públicos, a antecipação para 2014 do reajuste de 5% a ser aplicado em 2015, e a anistia das horas não trabalhadas durante a greve do ano passado, que durou aproximadamente 70 dias.

Há ainda outros vários pontos em comum. "A maior diferença está na forma como a atual direção do sindicato faz de tudo para não expor o governo, não contestar. Acreditamos que sindicato não é lugar para defender governo. O Sindsep acaba funcionando como um cabide do PT", afirmou o candidato a secretário-geral pela Chapa 2, Renovar para Lutar, Sérgio Ronaldo. O atual secretário, Oton Pereira Neves, que ocupa o cargo há cinco anos, e tenta a reeleição pela Chapa 1, Unidade para Intensificar a Luta, contesta. "Nós somos independentes do governo, mas não temos vergonha de dizer que não sentimos saudade do FHC nem do Collor nem da ditadura", argumentou.

» Evasão

A Chapa 2 questiona ainda a atual administração em relação à evasão que teria ocorrido no sindicato nos últimos 10 anos. Nesse período, o número de filiados teria diminuído de 35 mil para 22,2 mil. O atual secretário-geral nega os dados e diz que, na verdade, a quantidade de associados cresceu de 2012 para este ano. "Durante a greve no ano passado, filiamos 430 novos servidores. Não é um número muito grande, mas vai na contramão da história contada pela oposição", contestou.

Fonte: Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário