A aposentadoria não significa um final, mas sim uma nova fase em que a pessoa poderá realizar outros objetivos e projetos

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Câmara e Senado não vão usar jatos da FAB


A sombra das denúncias sobre o uso irregular de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) e a necessidade de uma agenda positiva fizeram o Legislativo pensar duas vezes antes de fretar aeronaves para levar comitivas de parlamentares para receber o papa Francisco na abertura da Jornada Mundial da Juventude, na próxima semana. Na Câmara, o grupo de cerca de 30 deputados que acompanhará o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), na recepção ao pontífice, no Rio de Janeiro, deverá viajar em aviões de carreira e custear as passagens com seus próprios recursos. A comitiva só se reunirá no Rio, para a cerimônia de chegada do papa.

Depois de utilizar uma aeronave da FAB para comparecer ao casamento da filha do líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM), em 15 de junho, em Trancoso (BA), o PRESIDENTE DO SENADO, RENAN CALHEIROS (PMDB-AL), revogou a autorização que ele próprio havia dado para o envio de uma comitiva de 10 senadores para a recepção ao papa. Como viajariam em missão oficial, os senadores teriam direito a passagens fora da cota de exercício parlamentar e diárias de R$ 581. No início do mês, o senador chegou a dizer que não ressarciria os cofres públicos pelo uso da aeronave oficial para ir a um compromisso particular, mas mudou de ideia. Hoje, defende a divulgação de informações sobre voos de autoridades em aviões da FAB. De acordo com a assessoria de imprensa do Senado, não haverá uma comitiva oficial de parlamentares na solenidade de boas-vindas do papa nem mesmo com passagens custeadas pelos próprios congressistas.

A presidente Dilma Rousseff, contudo, vai ao Rio de Janeiro acompanhada por um grupo de ministros e assessores, além do vice Michel Temer. Por se tratar da visita de um chefe de Estado, o ministro de Relações Exteriores, Antonio Patriota, deverá integrar a comitiva da presidente, bem como o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, e o assessor da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia. Até ontem, o Palácio do Planalto não havia fechado o séquito da presidente.

Planalto

Também Dilma já foi alvo de questionamentos por conta de viagens. Em março, a comitiva presidencial gastou R$ 325 mil em hospedagens na Itália, na ocasião da posse do papa Francisco, em Roma. A presidente viaja para o Rio de Janeiro na segunda-feira no início da tarde. Lá, Dilma aguardará o pontífice no aeroporto do Galeão, para receber o chefe da Igreja Católica.

O papa deve chegar ao Rio às 16h e seguirá um longo protocolo ao desembarcar no Brasil. Francisco será recebido por um grupo de crianças antes de receber as boas-vindas da presidente, ainda no aeroporto. De lá, os dois partem em comboios distintos em direção ao Palácio da Guanabara, sede do governo estadual. Dilma vai de helicóptero. Já o papa utilizará um carro fechado no trajeto até o Palácio São Joaquim, de onde segue no papamóvel para o Palácio da Guanabara, onde será recebido oficialmente.

Depois da cerimônia, o papa tem reunião reservada com a presidente e, em seguida, recebe em reunião ampliada a família de Dilma. Logo depois, o pontífice recebe os cumprimentos do governador e do prefeito do Rio, antes de seguir para a residência do Sumaré, onde mora o Arcebispo do Rio de Janeiro.

Fonte: Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário