A aposentadoria não significa um final, mas sim uma nova fase em que a pessoa poderá realizar outros objetivos e projetos

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Abin investigará suposta participação de servidor em manifestação no Leblon


Apuração na Abin

A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) investigará a conduta do servidor Igor Pouchain Matela, preso na madrugada de 18 de julho, no bairro do Leblon, no Rio de Janeiro, durante manifestação violenta pelas ruas do bairro contra o governador Sérgio Cabral (PMDB). A mulher dele, a geógrafa Carla Hirt, também foi detida por ter participado da depredação e liberada em seguida. Em nota oficial, divulgada ontem à tarde, a Abin informou que não determinou a infiltração de agentes na manifestação ocorrida no Leblon.

O órgão, vinculado diretamente ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, atesta que Igor estava de férias no dia da prisão. A agência alega que “não foi informada da ocorrência pela autoridade policial competente, tomando conhecimento somente pela imprensa”.

Após serem presos nas proximidades do prédio onde mora Sérgio Cabral, o casal foi encaminhado para a 14ª Delegacia de Polícia, no Leblon. Os dois teriam dito que eram agentes da Abin. Na nota oficial, o órgão de inteligência assegura que apenas Igor faz parte do quadro de servidores. Segundo a Polícia Civil do Rio de Janeiro, Carla acabou presa por ter jogado pedras em vidraça de uma loja e Igor por desacato a policiais militares. Autuada por formação de quadrilha, ela foi liberada após o pagamento de fiança. Em nota, o casal negou as acusações. “A denúncia é tão absurda que o Ministério Público indicou que não levará adiante, uma vez que a polícia não conseguiu provas do crime”, diz o texto.

Fonte: Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário