A aposentadoria não significa um final, mas sim uma nova fase em que a pessoa poderá realizar outros objetivos e projetos

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Após uma reestruturação com tabela de adequação, Assefaz reajusta os planos em até 24,7%.


Plano de saúde tem aumento de até 24,7% Sobrou, mais uma vez, para o consumidor. Diante do prejuízo de R$ 37,2 milhões registrado pela Fundação Assistencial dos Servidores do Ministério da Fazenda (Assefaz) em 2012, a operadora comunicou, nos últimos dias, aos seus mais de 96,2 mil beneficiários que reajustará, a partir de 1º de julho, as mensalidades de todos os planos de saúde comercializados. Os aumentos vão variar entre 17% e 24,7%, a depender do tipo do plano: quanto mais abrangente, maior a correção.

A elevação nos preços faz parte de um conjunto de medidas consideradas "antipáticas" pela direção do plano de saúde. Em 2012, diante da alta dos gastos médico-hospitalares, a maior parte das operadoras de autogestão (controladas pelos próprios beneficiários) entrou em situação financeira delicada. Na Assefaz, os prejuízos passaram a ser uma constante já a partir do segundo trimestre do ano. Em novembro, o rombo mensal chegou a R$ 4 milhões, resultado que a obrigou a promover uma radical restruturação administrativa. Hoje, mesmo após um pesado arrocho nas contas da entidade, o deficit acumulado no primeiro trimestre de 2013 é de cerca de R$ 2,7 milhões.

Além de tornar mais rigorosa a autorização para procedimentos médicos, a Assefaz demitiu 170 funcionários, uma tentativa de reduzir os gastos administrativos. Hoje, eles ainda consomem 19% do faturamento da entidade, quando somado o que é desembolsado para manter a operação, os clubes e os hotéis ligados à fundação em todo o país. Sem considerar a área social, a despesa com a administração cai para 16,7%.

Mesmo esse número é considerado alto quando comparado ao de outras entidades de autogestão, que, por não visarem o lucro, têm gastos menores com publicidade e com a área comercial. Por essa razão, a Assefaz já comunicou que levará adiante as medidas de arrocho, como a suspensão de projetos de investimentos em centros de lazer e a redução de contratos com prestadores de serviço, como limpeza, vigilância e colaboradores. "Só manteremos o que for realmente imprescindível para que a casa continue funcionando bem", avisou o presidente da operadora, Helio Bernades.

Atendimento
Outra medida classificada como "amarga" pelo dirigente é tornar mais rígida a concessão de autorizações a procedimentos médicos para os pacientes. "A Assefaz tinha um costume de liberar tudo, até o que não era previsto no contrato do beneficiário. Mas decidimos reavaliar isso", explicou. As medidas resultaram em uma maior demora na liberação dos atendimentos, o que gerou muitas reclamações dos consumidores.

Ao Correio, funcionários do Ministério da Fazenda, que correspondem a dois terços do quadro de beneficiários, alegaram que a dificuldade em garantir os procedimentos nunca foi tão grande quanto agora. Uma servidora que preferiu não ter o nome revelado disse ter passado por um grande constrangimento. Prestes a ser operada, ela recebeu a informação do hospital de que a Assefaz ainda não havia autorizado a cirurgia. "Foi uma humilhação enorme e um tormento sem-fim", lamentou.

O plano, no entanto, refuta essa reclamação. "Quando o paciente está em situação de emergência ou de urgência, nem precisa de liberação do plano. Nesses casos, o procedimento é liberado e só depois é que cuidamos do processo administrativo. Agora, se isso não estiver acontecendo, é por alguma maldade dos hospitais, não nossa", explicou. Segundo o dirigente, o atendimento da entidade só deverá estar normalizado apenas a partir de julho.

Fonte: Correio Braziliense