A aposentadoria não significa um final, mas sim uma nova fase em que a pessoa poderá realizar outros objetivos e projetos

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Sessão de votação da MP dos Portos foi a mais longa dos últimos 40 anos, diz Alves


De terça a quinta-feira, foram mais de 40 horas de debates.


Alves: 40 horas de discussão com tolerância e respeito.
A sessão de votação da polêmica MP dos Portos (595/12) foi a mais longa dos últimos 40 anos de história da Câmara dos Deputados. É o que atesta o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves. Ele exerce seu 11º mandato consecutivo na Câmara, estando na Casa desde 1971. 

A análise da matéria começou na terça-feira (14), quando a sessão se estendeu por quase 18 horas. A votação foi retomada na quarta-feira (15), às 11 horas, e só terminou na quinta-feira (16), às 9h45, durando, portanto, quase 23 horas.

“Nós últimos dias, tivemos uma sessão recorde: foram mais de 40 horas – fato inédito nesta Casa – de debates, de discussão, de votação, de tolerância, de respeito, de democracia”, disse o presidente Henrique Eduardo Alves. “Eu participei da Assembleia Nacional Constituinte (1987-1988) e não vi nada igual”, completou. “O povo brasileiro pode se orgulhar do seu Parlamento.”

Alves disse ainda que recebeu uma ligação da presidente Dilma Rousseff agradecendo a conduta da Câmara durante a sessão. “Ela agradeceu muito, sobretudo a conduta firme e democrática da sessão e do resultado”, disse, ao sair de uma reunião com o vice-presidente Michel Temer e parlamentares ruralistas da Câmara e do Senado.

O secretário-geral da Mesa da Câmara, Mozart Vianna, destacou que a Minoria se utilizou de todos os recursos permitidos pelo Regimento Interno da Câmara para retardar e impedir a votação da matéria. “É por isso que a sessão fica longa”, explicou. “Isso é legítimo. O Regimento é feito exatamente para dar direitos à minoria”, complementou. A oposição apresentou emendas aglutinativas, fez diversas questões de ordem e solicitouvotações nominais sobre diversos pontos.

Plenário reunido durante a votação da
Emenda Dante: 17 horas de debate.
Outras sessões longas
Segundo Mozart Vianna, que é funcionário da Câmara desde 1975, na Assembleia Nacional Constituinte houve sessões que também vararam a noite. Antes disso, Vianna lembra-se da sessão de votação da Emenda Dante de Oliveira, como ficou conhecida a proposta de realização de eleições diretas para presidente da República no Brasil, em 25 de abril de 1984. Esta sessão começou às 9 horas e só terminou às 2 horas da madrugada do dia seguinte, durando 17 horas.

Mais recentemente, em 15 de fevereiro de 2005, a sessão de eleição do deputado Severino Cavalcanti (PP-PE) para a Presidência da Câmara durou cerca de 13 horas seguidas.

Fonte: Agência Câmara Notícia