A aposentadoria não significa um final, mas sim uma nova fase em que a pessoa poderá realizar outros objetivos e projetos

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Coleta de assinaturas para anulação da Reforma da Previdência até 6 de junho


A coleta de assinaturas do abaixo assinado pela anulação da reforma da Previdência de 2003 foi prorrogada até o dia 6 de junho. No dia 10, a Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) e demais entidades devem entregar ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo menos um milhão de assinaturas e protocolar a abertura de processo pela anulação da reforma. A PEC 40 é suspeita de estar entre os itens que foram votados sob influência da compra de votos de parlamentares, o que resultou na ação penal 470, também conhecida como “mensalão”, votada pelo próprio STF.

Reunido no Sintrasef na quinta-feira (9/5), o Fórum das Entidades Estaduais decidiu que a campanha de coleta de assinaturas será intensificada no Rio, onde o número de assinaturas recolhidas foi um dos mais baixos do país. Nos dias 27, 28 e 29 de maio um mutirão será realizado, com postos na Cinelândia, na Central do Brasil, na Praça XV e no início do calçadão da rua Uruguaiana, no Centro da cidade. A coleta de assinaturas também está disponível na internet, através dos sites http://www.peticaopublica.com.br/?pi=emenda41 e http://www.auditoriacidada.org.br/1812-15h-ato-pelo-reconhecimento/.

Entre os prejuízos trazidos pela reforma que servidores, trabalhadores e cidadãos agora tentam reverter estão a ampliação do tempo de serviço, a diminuição dos pagamentos de aposentadoria imposta pela emenda 41 e a privatização da previdência dos trabalhadores do serviço público.

Nos postos de coleta de assinaturas dirigentes sindicais informam à população as suspeitas sobre a aprovação da reforma e as etapas para a reforma ser anulada. Para Josemilton Costa, secretário-geral da Condsef e diretor do Sintrasef, “não se pode deixar que dinheiro público sirva para comprar votos dos parlamentares, comprar projetos de lei que venham a prejudicar os trabalhadores de uma forma geral. Portanto, os trabalhadores que passarem pelos postos de coleta devem parar por dois minutos e colocar nome e identidade para que se possa anular a reforma comprada em 2003”.

Fonte: Sintrasef/RJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário