A aposentadoria não significa um final, mas sim uma nova fase em que a pessoa poderá realizar outros objetivos e projetos

domingo, 24 de junho de 2012

Medida que garante supersalários para funcionários públicos é criticada


O cientista político Otaciano Nogueira diz que seria um privilégio injustificável: “Mudar a Constituição para privilegiar um pequeno grupo é, realmente, uma falta de bom senso”.


Deu o que falar a aprovação da medida que garante a farra dos supersalários para funcionários públicos. O Bom Dia Brasil mostrou: o projeto foi aprovado em uma comissão especial da Câmara. É uma conta alta para um privilégio de uma minoria.

É uma mudança que pegou o governo de surpresa. O presidente da Câmara minimizou a aprovação da emenda, por enquanto apenas em uma comissão. Marco Maia não é contra um salário acima do teto, mas disse que muitas propostas passam em comissões e depois ficam na fila de votação no Plenário.

A proposta mexe na Constituição e pode ter impactos nas contas do Governo Federal, de estados e municípios. Foi aprovada em uma semana em que o Congresso estava vazio. Até o presidente da Câmara disse que não sabia da votação. “É alguma coisa que eu fiquei sabendo pela imprensa hoje, da votação dessa PEC na Comissão Especial”, explica Marco Maia.

A mudança permite que servidores públicos acumulem salários, aposentadorias e benefícios e recebam acima do teto constitucional, que é de R$ 26,7 mil. Hoje, o que ultrapassa este valor tem que ser cortado.

A proposta iguala os salários de presidente, vice-presidente, ministros, deputados federais e senadores aos dos ministros do Supremo Tribunal Federal. E cria um teto salarial único: estados e municípios pagariam o mesmo limite da União. Ainda retira da Presidência da República o poder de limitar os aumentos salariais. A palavra final passaria a ser do Congresso.

Para entrar em vigor, a proposta ainda tem que ser aprovada nos plenários da Câmara e do Senado. Mas essa primeira votação surpreendeu o governo, que diz não ter calculado o impacto da possível mudança nas contas da União.

Para o deputado João Dado (PDT-SP), que propôs algumas das mudanças, poucos servidores seriam beneficiados: “É mínimo o percentual de servidores ou de agentes políticos que se enquadram na hipótese que está alcançada pela mudança. Nenhum risco às contas públicas”.

O cientista político Otaciano Nogueira diz que seria um privilégio injustificável: “Mudar a Constituição para privilegiar um pequeno grupo é, realmente, uma falta de bom senso”.

O ministério do planejamento informou que apenas em maio, 499 funcionários do Governo Federal teriam recebido acima de R$ 26,7 mil, se o teto não existisse.

Fonte: Bom dia Brasil

Convocatória do Conselho Deliberativo das Entidades - CDE, dia 27/06/2012

Brasília, 20 de junho de 2012.

Da: CONDSEF
Às: Entidades Filiadas



CONVOCATÓRIA



A Diretoria Executiva da CONDSEF convoca os representantes do Conselho Deliberativo de Entidades – CDE para participar da reunião no dia 27/06/2012, às 14hs, no Auditório Luiz Fernando A. Campis (sede da CONDSEF) para discutir e deliberar sobre a seguinte Pauta:

  • Informes;
  • Avaliação da Conjuntura;
  • Calendário de Atividades;
  • Encaminhamentos.


Saudações Sindicais,


Josemilton Maurício da Costa
Secretário Geral da CONDSEF


OBS.: A CONDSEF já esta funcionando na nova sede:
CONIC - (SDS, Ed. Miguel Badya, Bloco L, N.º 30 - 5º andar. CEP: 70394-901 – BRASÍLIA-DF). Em frente ao Teatro Dulcina.

Relatório da Plenária Nacional da CONDSEF de 18/06/2012



Data: 18/06/2012
Local: Auditório do SINTRASEF-RJ

Pauta: informes, avaliação da conjuntura , calendário de atividades e encaminhamentos

Entidades presentes : RJ ( SINTRASEF e SINFA), SINDSERF/SP, SINDSEP/MG, SINDSEP/MA, SINDSEP/PE, SINTSERF/CE, SINDFAZ/RS, SINTRAFESC e direção da CONDSEF.

Delegados:  111 (cento e onze)


Deliberações:
  • Acampamento nos dias 02 a 06/07, como atividade da greve em Brasília. Propor no Fórum das Entidades Unificar á atividade.
  • Propor na reunião do Fórum dois dias de paralisação, para os setores que ainda não aderiram greve por tempo indeterminado.
  • Participar no dia 20/06, da marcha dos movimentos sociais, com concentração na Candelária, às 15:00h. Os trabalhadores (as) dos federais farão uma coluna com as suas reivindicações.
  • Participar da cúpula dos povos/assembléia dos povos, nos dias 21 e 22/06
  • Na reunião do CDE discutir a convocação de encontros setoriais, como atividade da greve, no período do acampamento. Realizar uma plenária nacional da CONDSEF no período do acampamento.
  • Orientar os nossos sindicatos a fortalecerem as Assembleias nos locais de trabalhos.

Moção de apoio
Moção de apoio aos estudantes da UNIFESP/Guarulhos, que estão em greve desde o dia 22/03. A CONDSEF solicitará ao SINDSERF/SP a moção na íntegra, via correio eletrônico. A moção será anexada ao relatório.
Nota de apoio da Auditoria Cidadã da dívida, a greve dos federais.

Saudações Sindicais


Josemilton Maurício da Costa
Secretário Geral/CONDSEF